Lagartixa – Revista de Poesia

Fuga

No quarto embaralhado, se acomoda
a lavanda talhada pelos corpos
Assinalo as entradas da sua fuga
Os trincos na sua luz

acompanham
meu estudo rítmico

E podada a lua da moça,
entrevo o violino
no movimento dos astros

 

Atelier

Trabalho um quadro dela

Não há pincéis, tempo ou esboço
Tampouco ela repara

Também não lhe darei de presente esta obra,
provisória como todas

Mas há luz!

Destaque-se a porcelana das pernas
A cabeça em pose de girafa
Os seios avançam sobre a hora do rush

Meus olhos pintam inutilmente

(Lagartixa – Revista de Poesia, inverno de 2003.)

Por Pedro Marques
31 jul. 2010

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on Google+Share on LinkedIn