Rascunho 153

 

Basta o casal cruzar o meu caminho,
para os corpos jogarem o fogo ao gelo

A mão que vinha audaz não fala mais
e uma língua se esconde noutra boca

Não corro atrás de rango nem de verbo,
sou tipo um Jesus Cristo retornável

Pois não: dou de louquinho e passo reto,
refugiado que sou do global market

Diz bem quem diz que beijo faz milagre:
pra mim, é um espantalho de mendigo

*

Dom Auau deita e rola e acorda
e se espreguiça em casinha própria

E revira o pote de água tratada
e regurgita a ração balanceada

Cercado de criados e atenção,
às vezes se deita num spleen

Meio humana meio dondoca, sua dor
não encara fila em Pronto Socorro

Nada que uma cagada na praça,
onde dormem os sem maloca,

não cure

 

(Rascunho 153, Curitiba, janeiro de 2013.)

Por Pedro Marques
23 set. 2013

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on Google+Share on LinkedIn